domingo, 15 de setembro de 2019

Berço Urban Race 19 15/09/2019

Mais um BTT à cidade!
Cidade do Berço, Guimarães terra onde nasceu Portugal terra do D. Afonso Henriques!

1º de tudo a todos pela preocupação pelo meu estado físico. OBRIGADO. Eu estou bem. 
Não tenho nada partido e não vai ser impeditivo de voltar já amanhã aos treinos e preparar a minha próxima aventura nas mínimas condições marcada já para o próximo fim-de-semana!


3h Resistência BTT urbanas de à uns tempos para cá não querem nada comigo e eu também começo a não querer nada com elas. 

Uma das coisas que gosto neste tipo de provas é pelo que está a envolver, o contacto humano com o público que atrai às ruas para verem os participantes.

Depois sentir é o constante apoio de incentivo que me dão. Quando vejo pessoas que nem praticam a modalidade gritarem pelo meu nome é algo que me faz querer sempre dar mais uma volta. Além de que me fazem sentir que alguma coisa de bom estou a fazer para me conhecerem. Obrigado!

Prova:

Boa azafama, colorida e com um pano de fundo bonito, o Castelo de Guimarães. Bom aparato ali montado. 


Percurso muito bonito, mas muito perigoso e traiçoeiro, não o posso esconder. É como É... 


É a 1ª a vez que participo neste Urban de Guimarães, vários foram os bons motivos que me fizeram estar presente neste evento que por agora não interessa estar a contar...

Nesta prova/evento cada um tinha que escolher bem onde metias os "pés"
Infelizmente para mim foi mais uma que tive de desistir! 
Duas QUEDAS FEIAS a primeira foi logo na segunda volta que além de riscar os cromados danificou a minha lanterna, mas como pensei que se tinha era desligado voltei a carrega o botão de ligar e desligar, lá deu sinal, mas km mais à frente voltou a desligar. Pensei então... não carreguei o raio da bateria na totalidade, logo ali perdi de vista a frente da corrida, ainda andei umas voltas sem luzes, até decidir parar para trocar a bateria, porque corria o risco de nas zonas mais escuras do percurso ter nova queda, lá parei para trocar de bateria mas nada... problema foi que tracei o cabo (vi isso hoje)
Lá arrisquei a meter-me ao caminho porque estava dento dos lugares de pódio e perfeitamente ao meu alcance. 

Mas lá está, mais uma Urban Race que não queria nada comigo. 
Nova queda numa das zonas que receava em que me deixou a palma da mão sem um pedaço de pele e o joelho esfacelado. O joelho mesmo com as dores ainda aguentava o mal era as ardências na mão direita além de que não dava para agarrar o guiador nas melhores condições... e sem luz, gozo nenhum, sofrimento que se farta e etc... Que é que andava ali a fazer se o que havia de fazer já estava feito e já tinha dado para ver e sentir o espectáculo que ali foi montado.

Percurso Bonito, sem duvida.
Muitas zonas de muito perigo. 
Rampas perigosas.
Zonas rápidas muito estreitas.

Atletas a mais para o tipo de percurso que foi delineado.
Muitos engarrafamentos. 
Mas volto a frisar muito bonito!

Mais uma vez obrigado a todos, organização, fotógrafos aos bombeiros de Guimarães de me assistiram no local e especial aos amigos pelo carinho!

Continuamos na luta! 











domingo, 8 de setembro de 2019

Galos Urban Race 2019 - 08/09/2019




O BTT à cidade, é o que admiro neste tipo de eventos desta vez com deslocação até a mais uma cidade do Galo, Barcelos, para participar no Galo´s Urban Race - 3H BTT Resistência Nocturna Barcelos.

Adorei estar presente e participar neste evento infelizmente só deu para fazer meia dúzia de voltas... 



Out of Race Again!



É preciso ter Galo!!!

O que é preciso é não perder a vontade de continuar a procurar a sorte!
Dá trabalho mas o que é preciso é não desanimar. Porque existe coisas muito mas muito piores.
E eu até que andava sem chip na bike, só dei conta quando me lembrei após a desistência por acidente, que tinha de ir pegar a minha licença!
Ia dar barraca e ia!!!

Next...Que está tudo bem. E o que importa é cá estarmos para não deixar de procurar a felicidade e nunca perder a vontade de sorrir. 

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Bike Day Escola Mais Plural 06/09/2019

Que manhã fascinante esta sexta-feira ao ter-me deslocado até a uma das instituições de ensino do município de Vila Nova de Famalicão a Escola Mais Plural.

Aceitar o convite foi um gosto. 


O convite para participar nesta iniciativa deixa-me orgulhoso.

Ser recebido em clima de festa pelas crianças que não se contiveram na demonstração de me verem por ali... Deve ser alguém muito famoso.

Isso foi o que me deixou-me muito feliz e vaidoso por ter sido assim recebido, confesso.
Alguns dizerem-me na sua pura inocência "talvez" que querem ser ciclistas como eu...





















A iniciativa e convite desta instituição passou por eu apresentar o desporto que pratico metodologia de treino que realizo e que tipos de segurança que se deve ter e a importância do uso do CAPACETE. Dar isso a conhecer ao que temos de mais bonito no nosso mundo que são as nossas crianças, é, foi e será sempre um enorme prazer.


Após responder às muitas perguntas curiosidades e questões das muitas crianças presentes, posteriormente ter distribuído alguns autógrafos e um pequeno presente do clube o Futebol Clube de Famalicão




























Depois ainda houve tempo para um pequeno e tão esperado passeio de bicicleta para explorar os espaços exteriores da bonita escola. 










À instituição da Escola Mais Plural, professores e auxiliares o meu muito obrigado pelo honroso convite e recepção.

Famabike e Futebol Clube de Famalicão o brigado também na colaboração da logística e afins.

domingo, 25 de agosto de 2019

Cabeceiras Urban Race 2019 - 25/09/2019


Não correu como eu queria mas são coisas que acontecem.


Passaram-se três semanas de treino com algumas alterações à forma de treinar e novas experiências com outro tipo de bikes desde a ultima vez que estive em competição.  

Cabeceiras Urban Race um evento de 3h resistência urbana num circuito, com 5km, pelas ruas e jardins da cidade de Cabeceiras de Basto com a concentração junto ao Mosteiro S. Miguel de Refojos,  foi o meu "reentreé" depois de umas semanas mais clamas, em que repousamos o corpo.

Evento de cariz competitivo embora, não correndo como queria, serviu para ver como o corpo e a cabeça reagia à adrenalina.

Um evento deste género envolve muito contacto entre atletas, ultrapassagens, para/arranca, faca nos dentes, andar na roda, ter pessoal a ferver na roda, etc. 

Ia focado em fazer o melhor possível mas;

Logo na volta de lançamento, numa das minhas brincadeiras de arranque senti que a coisa podia dar para o torto...

Adoptei uma condução prudente, mas o percurso forçava muito a uma constante mudança de velocidade.

Não chegando isso, ainda tive de parar para trocar a bateria da lanterna mas sem stress, não perdi muito tempo, o mal ainda estava por vir. A faltar cerca de 10 minutos para as 2h de corrida, aconteceu o que previa... tive de abandonar a corrida por avaria mecânica, ainda andei 1km até à zona de assistência onde tinha o colega Isidro, o único que me poderia ajudar a minimizar o problema, acabei por perder muito tempo e mesmo assim não deu para resolver. Tive mesmo de abandonar a corrida. 

Coisas que acontecem e até já nem valem a pena perder tempo a pensar nisso.
O bom é que deu para aproveitar mais tempo a noite no hotel e a companhia de um casal amigo num bom fim de semana por aqueles lados.

Venha a próxima que esta já foi ontem!



Um agradecimento especial à organização e aos fotógrafos pelas sempre magnificas fotos!

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

Gleef


E pela experiência destes últimos dias ao usar este novo modelo de sapatilhas da Glef, que ainda é um “prototipo” ou seja ainda não saiu para o mercado. ESTÁ APROVADO!

Este modelo é adequado para o uso casual. É uma sapatilha leve e estável, que oferece um bom suporte de apoio no contacto com o solo.

Uma das particularidades é o não cheiro! 

Desenvolvidas com a mesma pele da gama casual da marca. Podem ver aqui: Gleef  
Calçado de alta qualidade e conforto de marca Portuguesa.

A escolha de sapatilhas deve ser um processo individual, todos temos as nossas características distintas e não existe nenhuma fórmula mágica. Temos que adaptar as nossas escolhas à nossa individualidade.
Podemos ter uma boa sapatilha mas se tivermos uma má meia estaremos a comprometer o conforto da sapatilha.
Uma boa sapatilha e confortável para usar sem meias.


Uma boa aposta!






segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Mobilidade Urbana Sustentável!


Não podia ser mais oportuno abordar este tema. Actualmente, dispomos de ferramentas mas falta criar as condições e talvez ainda haja falta de vontade e coragem para colocar em prática.

Mas o que é isto de Mobilidade Urbana Sustentável?

Não é mais do que a forma como nos deslocarmos, eliminando fronteiras, criando um maior acesso às nossas necessidades económicas e culturais.

Um dos entraves acho que ainda é o preconceito, pois através da Mobilidade acabámos por conseguir alcançar as nossas necessidades mais básicas, mas também ultrapassar fronteiras, alargando horizontes, através da partilha de experiências que promovem a nossa diversidade cultural.

Falando no meu concelho que é muito fértil para se colocar em prática a "Mobilidade Urbana Sustentável" mas para um funcionamento melhor temos de pensar num todo e nisso ainda existem muitos desafios a vencer.

As emissões de gases dos veículos movidos a combustíveis fósseis, já não se justifica nos locais de maior concentração da população, no caso em questão no "Centro de Famalicão".

Por isso, olhar para a Mobilidade Urbana como um tópico, onde a sustentabilidade tem de começar a fazer parte do nosso quotidiano e deixar as ruas livres ao transito só para casos realmente mesmo considerados excepcionais. Hoje em dia, é fácil chegarmos ao nosso centro. Infelizmente, ainda temos muito o hábito de que, se fosse possível, até levávamos os nossos carros para dentro dos estabelecimentos e edifícios onde pretendemos chegar.

Mas nunca tivemos tão perto de alcançar essa meta!

A comunidade internacional prometeu limitar o aumento da temperatura a um máximo de 2ºC comparativamente à era pré-industrial. Os governos, cidades, regiões, empresas, estão comprometidos a tomar medidas e a cumprir programas para alcançar essa meta.

Depois, com o passar do tempo, tudo será uma questão de mentalidade para nós cidadãos.

Demoramos sempre é a criar condições para se colocar em prática o quer que seja. Mas, se cada vez mais formos os utilizadores desses meios e agora puxando a brasa à minha sardinha (porque o conceito envolve muitos outros meios) veículos de duas rodas movidos ao pedal mais rapidamente serão obrigados a criarem essas condições e corredores/vias.

Hoje em dia, já é mais fácil adquirir esses meios e colocar até alguns à disposição da população. Bicicletas ELÉTRICAS poderão ser uma das fantásticas soluções de mobilidade.

Vencer o preconceito é que ainda é um handicap... Circular de bicicleta de gravata para por exemplo se deslocarem para o seu trabalho no centro da cidade ou até mesmo para simplesmente irem só "ver as montras", etc.

Havemos de lá chegar!

E já que falamos de mobilidade sustentável, V. N. de Famalicão tem excelentes condições para ser o lugar do BTT. Não só pelo meio envolvente mas também pela imensa quantidade de praticantes desta modalidade.

Poder dizer "Famalicão, o meu lugar no BTT" tem sido um desejo meu desde que me apaixonei pelo mundo das bicicletas.

Espero que, com a requalificação da tão aguardada CICLOVIA, seja um ponto de partida e chegada. Que ajude a cada vez mais sermos os utilizadores da bicicleta. Daí levar-nos a ter mais MOTIVAÇÃO de aderirmos à tal "Modalidade Sustentável" e ser um conceito cada vez mais presente na nossa sociedade.

O percurso da ciclovia vir a ser alcatroado concordo, por vários motivos... Criar uma ligação ao nosso belo Parque da Devesa acho primordial. É um desafio exequível e fácil. Só é preciso civismo e respeito.

Para fazer BTT "bravo" o concelho está rodeado de fantásticas florestas. Certo que não temos serras com subidas intermináveis, mas temos magníficos trilhos e muitos outros que se podem criar. Podemos ainda criar uma magnífica rede de trilhos de puro BTT ou de lazer, uns mais exigentes e até agrestes para os mais audazes. 

Criar é fácil! O mais complicado é manter! Mas tudo se consegue... e digo isto com conhecimento de causa.

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Acho que já ninguém duvida que as E-bikes vieram para ficar!

Só quem já experimentou é que sabe a loucura que este tipo de bike pode proporcionar:

“As e-bikes são só para os preguiçosos ”

“Isso não é uma bicicleta!”

“Assim nem se transpira, nem treinas!”

Quantos amigos já não fizeram afirmações destas.

Mas será que já realmente experimentaram uma e-bike?

É uma bike. tem pedais e só anda se pedalares o acelerador são as tuas pernas!
A diferença para as convencionais é que tem um motor elétrico que te auxilia na pedalada, mais ou menos consoante o modo/nível de auxilio que selecionares, se parares de pedalar, o motor desliga de imediato.
Na prática o que o sistema faz é adicionar mais watts àqueles que conseguimos produzir. No entanto se atingires os 25km/h ele deixa de te ajudar, a partir daí fazes é um bom treino de força...

Que bike temos aqui:


Não é uma bike qualquer que tenho vindo a desfrutar durante estes últimos três dias:
Scott Genius eRide 920 aplica a mesma tecnologia e geometria da família das bikes de montanha da scott "Tecnologia patenteadaTwinLoc".
Com uma bike deste género depois de umas saídas e tomar o pulso do que temos nas mãos, não nos contentamos só em percorrer trilhos normais! O atrevimento em nos divertir em trilhos sinuosos, técnicos, seja a subir ou a descer. Então aquelas subidas que com a Scott Spark, nem me atrevia a tentar fazer a tentação tomou conta de mim e passar à pratica foi intuitivo.

Com um curso de suspensão 150mm de curso, espigão de selim
telescópico, pneus agressivos 27.5x2.8″ / 900 Series: 29x2.6″ , travões
potentes, Shimano BR-MT520 Disc 203mm F&R / SM-RT64 CL Rotor aguenta bem o peso da bike, mais o meu peso.

Mas isto tudo o que falei acima é a parte do gozo.

Acreditem, que tenho terminado estes últimos treinos de e-bike todo moídinho!


É certo que o esforço em subida, é menor e mais controlado. Mas em descida e em plano acima dos 25km/h não há ajudas, a frequência cardíaca MÉD. com esta E-bike assemelha-se muito à dos meus treinos da estrada em ritmo Limiar Aeróbico. Controla-se melhor os picos de intensidade e sem quebras também. Chamo-lhe ritmo que "queima gordura".
As descidas, porque procurei em trilhos bastante acidentados e do mais duro que há por aqui, a exigência muscular foi elevada, a frequência cardíaca ou estabilizava ou aumentava mas devido à adrenalina da velocidade atingida. Perfeito para treinar a técnica, fortalecimento muscular, nomeadamente mãos, pulsos, braços, ombros e lombar.
Depois, quando atingia, em terrenos planos velocidades superiores a 25km/h a bike deixa de ter auxilio do motor e o peso acrescido à bicicleta, do motor, a fricção dos pneus, quando pedalamos dificulta bastante a nossa progressão no terreno. Vais a puxar peso extra.. Bom treino de força...
É bem mais fácil atingirmos velocidades de 30km/h ou superiores na Scott Spark que nesta e-bike.
Facilmente enumero varias razões de utilizações e vantagens das e-bikes mesmo para quem tenha uma boa condição física. Permite, quem poder, outro complemento aos seus treinos.
Treino de recuperação:
Seleccionarmos o modo Trail, ou Boost nas subidas mais inclinadas e fazemos um treino suave e a desfrutar na mesma os trilhos que mais gostamos e evitamos de ir para a estrada neste mês de Agosto.
Quando não estamos com disponibilidade física para forçar a pedalada derivado ao cansaço do trabalho, ou dos treinos ou simplesmente porque não apetece sofrer muito, mas que sabemos que umas pedaladas só nos ia fazer bem, mas ter que ir sofrer...
Vantagens das E-BIKES:
Um amigo que evita sair com o seu grupo de amigos porque sabe que vai sofrer, ou então não quer que esteja sempre à esperar dele derivado ao desequilíbrio de andamentos.
Com a e-bike acabaram-se as desculpas para não pedalarem juntos.
Um casal, em que ambos gostam de pedalar, mas raramente o fazem juntos porque os níveis de condição física são muito diferentes.
Claro que não é só coisas boas:
A autonomia da bateria acaba por saber a pouco é um dos principais handicaps, "talvez" tenho feito treinos de 2h30. chega sempre no vermelho...
Equipada com sistema de 4 modos, Off, Eco, Trail e boost.
O modo mais económico acho que dará para percorrer cerca de 80-100km, e o modo mais potente sempre ligado os 40/50km. Mas tudo depende sobretudo da intensidade da pedalada e do desnível acumulado da volta. Mais acumulado menor duração da bateria, bem como uma pedalada mais intensa.
O peso da bike está bem distribuído, não prejudica a condução. Os pneus sendo mais largos conferem mais segurança, de qualquer modo há sempre um período de adaptação, sobretudo nas curvas mais apertadas drops e saltos que estou a começar à aventurar.
Finalizando, se pretendermos uma volta longa temos que gerir muito bem a autonomia, usando sempre que possível o modo mais económico, o que significa maior esforço físico da nossa parte.
Se me deixarem ficar com ela mais uns tempos vou ter de reforçar a armadura e o seguro.